Diálogos com os Anjos e Raymundo Lopes

As tristezas de Jesus - Uma viagem que questionou Raymundo

Diálogo de Raymundo com os Anjinhos

a-tristeza-de-jesus-raymundo-lopes-dialogos-com-os-anjos

Mais uma vez, Irmã Gertrudes é protagonista de minha saída de Belo Horizonte, numa viagem que à primeira vista se configurava completamente sem propósito. 
Desta vez o destino foi a Terra Santa, com passagem em Lourdes, uma epopeia para pessoas novas e uma temeridade para mim, que estou às vésperas de meus 70 anos de idade.
Como desde 1992 ando ao sabor das ondas de minha fé em Jesus e Maria, com toda certeza acreditei que havia por trás disso tudo algum desejo do Céu, passando-me as últimas lições para ir ao encontro de Deus na eternidade.
No período de planejamento da viagem, quantas vezes entrei na Capela, pedindo a Jesus e Maria um sinal, se possível, que me desse acerteza de que era da vontade deles que eu fizesse essa viagem. Mas o silêncio me intrigava, dando-me a impressão de que meus atos, minhas palavras haveriam de ditar os caminhos a seguir.
Resolvi então me deixar levar pelas circunstâncias, fazendo apenas uma exigência: que minha esposa fosse comigo, porque um percurso desse, sem o amparo da presença dela, me seria impossível. 
Tudo se arranjou e embarcamos no dia 24 de março, com destino ao “desconhecido”.
Em São Paulo conhecemos o restante do nosso grupo e tive a primeira experiência quanto ao que me esperava. Entrei num pequeno espaço ecumênico do aeroporto e lá vi, assentados nas primeiras cadeiras, meus queridos amigos. Eles logo me disseram:
– Conhecerá e viverá o porquê vocês necessitam de uma reviravolta na fé. A serena Senhora lhe acompanhará os passos, e você experimentará na pele o porquê de tanto afastamento aos intuitos de Jesus, apesar de um aparente procedimento cristão. Caminhará sozinho consigo mesmo. Terá apenas dois encontros com Jesus Sacramentado, nestes dias, e esperamos que volte ciente de que Jesus deseja que O adoremos em Sua presença eucarística, e não em peregrinações inúteis a locais onde impera apenas o comércio da fé e não o caminho da lembrança que foi Sua estada entre vocês. Eu disse a eles:
– Estamos acompanhados de um sacerdote. Ele possivelmente celebrará Missas, e acredito que serão mais de duas; vou perdê-las?
– Caminhará sozinho. A serena Senhora deseja que esta experiência seja somente sua. Verá, sem a interferência de outros, por que proliferam dúvidas religiosas no mundo.
Fiquei pensando: será que a Geny não vai embarcar? Será que vai acontecer alguma coisa com ela? Pois eles disseram: “Caminhará sozinho.”
Não entendi. De São Paulo a Milão foi uma viagem tranquila. Chegando à Itália, um imprevisto: o sacerdote que nos acompanhava foi impedido de continuar a viagem, porque o seu passaporte estava sem o visto para a Europa.
Pensei em ajudá-lo, pois conheço um pouco de alfândega, por já ter trabalhado em aeroportos, quando então escutei em meus ouvidos: “Afaste-se daqui, não interferirá!” Vi tudo acontecer de longe e rezei para que tudo corresse bem.
Meu intuito na França era estar com padre René Laurentin, talvezpela última vez, pois ele se encontrava praticamente cego e já com quase 90 anos de idade.
Em Paris, procurei entrar em contato com madame Pinheiro, para que através dela pudesse falar com padre René. Fui à casa dele acompanhado de minha esposa, no carro de madame Pinheiro e seu esposo. Lá chegando, outro imprevisto: padre René estava agendado com outra pessoa e não podia me atender. Foi quando entraram em ação os meninos, dizendo-me: “Não vá embora, insista, suba as escadas, padre René está lá em cima.”; e assim por diante.
Não deu outra, padre René me atendeu, conversamos e gravamos a entrevista.
Os garotos permaneceram a meu lado o tempo todo, enquanto minha esposa tirava fotos.
Depois, falei com um deles (com o anjinho que esteve comigo no México):
– Tiramos fotos e vocês vão sair nelas.
Ele me respondeu:
– Não vamos não, essas fotos não vão ser reveladas.
No percurso, depois de examinarmos a máquina, verificamos que estava com o chip danificado. Perdi as fotos com o padre René.
Fomos para Lourdes; uma viagem agradável, mas muito longa. Na primeira noite nessa cidade, eu estava na gruta, quando vi a meu lado os garotos. Perguntei-lhes:
– O que vocês estão fazendo aqui?
Eles apenas apontaram para a gruta. Olhei e vi ao lado dela um castiçal grande de velas, a figura de Nossa Senhora e de muitas pessoas que apagavam as velas acesas com as mãos. Perguntei-lhes o que significava aquilo. Eles não me disseram, somente me pediram que guardasse em minha memória o que estava vendo.
Depois de alguns dias, fomos para o Egito, e lá não percebi nada de anormal.
Ao entrarmos no território de Israel, procurei prestar atenção em tudo, e percebi que ali não encontraria nada que pudesse me ensinar algo sobre o real motivo de minha viagem à Terra Santa.
Em Jerusalém, na primeira noite no hotel, acordei com os meninos a meu lado e minha esposa dormindo calmamente.
Perguntei-lhes:
– Meu Deus, o que vocês estão fazendo aqui?– Viemos para lhe trazer algumas coisas sobre o Senhor Jesus!
– Que coisas? Acho que vocês já me disseram tudo, de 1992 para cá.
– Não, faltam algumas que a Mãe do Grande Mestre deseja que falemos.
Você já pensou nas tristezas do senhor Jesus?
– Não, não pensei, e acho que Jesus não ficava triste.
– Por que você acha que Ele não ficava triste?
– Porque é um Deus, e um Deus não fica triste!
Eles então me pediram que me dirigisse para uma pequena varanda no quarto, onde tinha uma cadeira. Assentei-me nela e eles no chão, e começaram a falar:

As tristezas de Jesus

– Quando o Senhor Jesus ainda se encontrava no ventre de Maria Santíssima, pôde experimentar Sua primeira tristeza, ao perceber que José, seu pai adotivo, não pôde acreditar nas palavras da Grande Mãe dizendo ser o filho que esperava uma obra de Deus num corpo ainda virgem, intocado. Jesus, ainda fazendo parte do corpo da Bem-Aventurada, experimentou uma profunda tristeza. Foi necessária a interferência divina para que José acreditasse; caso contrário, pelo racional, José abandonaria Maria1.
– Tiveram outras? – perguntei.
– Sim, tiveram muitas outras. Podemos continuar contando-as?
– Podem, minha esposa dorme profundamente e temos tempo para conversar!
– Quando a doce e serena Senhora teve de abandonar tudo e partir para o Egito, Jesus entristeceu-se vendo sua Mãe pronta para uma longa caminhada para salvá-lo da fúria do poder reinante2.
– Interessante, nunca pensei nisto, foi uma loucura José levar Maria para o Egito.
– Foi somente depois que lhe avisamos do perigo, que José determinou a viagem.
– Jesus ficou triste?
– Sim, ficou, porque mais uma vez José não percebeu que tinha nos braços um Deus e que era necessário salvá-lo a qualquer custo.
– Mas Jesus é um Deus, não precisa fugir!
– No reino em que vive, quis Deus que fosse assim. Ele desejava que José, por livre e espontânea vontade, pressentisse o perigo.– Mas José não sabia de nada?
– Sabia, mas acreditou que Maria e Jesus não corressem perigo.
– Tem mais?
– Quando Jesus percebeu, em sua divindade, a fúria de Herodes, ficou imensamente triste devido à grande quantidade de crianças assassinadas por sua causa. Jesus teve dias de uma profunda tristeza3.
– Deve ter sido uma tristeza enorme; mas Jesus poderia ter salvado as crianças.
– Não, Jesus deixou que a ordem humana tomasse rumo e escrevesse sua própria história.
Jesus foi levado ao deserto pelo Espírito Santo e, depois de quarenta dias, o diabo fez com que uma tristeza enorme tomasse conta de Jesus, tentando-o4.
Quando trouxeram a cabeça de seu primo João a Herodes, Jesus ficou tremendamente triste com o acontecido e afastou-se dos demais para rezar por João5.
Quando Jesus precisou ir a Jerusalém, sabendo do que O aguardava, uma tristeza enorme tomou conta do seu coração. Jesus sofreu com isto6.
– Por que vocês me contam isto?
– Porque você precisa saber! A doce e serena Senhora deseja que participe desses momentos tristes de Jesus.
– Bem, se Nossa Senhora deseja isto é porque será de alguma valia para mim. Vamos continuar contando?
– Jesus, quando profetizou sobre o templo, isto foi feito com uma grande tristeza7.
Ao estar próximo da Páscoa, Jesus sabia que seria entregue nas mãos dos poderosos. Uma tristeza invadiu seu Espírito8.
E quando mostrou aos apóstolos quem o trairia, também ficou triste9.
E Jesus pediu a seus amigos que ficassem com Ele, porque uma tristeza enorme tomava conta de seu íntimo. Isto foi pedido com muito sofrimento10.E Judas o traiu com um beijo, o que causou tristeza a Jesus11.
E, depois, todos abandonaram Jesus e fugiram. O Mestre ficou triste, devido à covardia de seus amigos12.
Pedro nega Jesus.
Pedro nega Jesus pela segunda vez.
Pedro nega Jesus pela terceira vez13.
E finalmente a tristeza de Jesus chegou ao cume, quando Judas não se arrependeu14 e depois joga o dinheiro da traição no Templo e se enforca15.
– Nossa, nunca pensei nisto! Fazemos sempre a Via-Sacra, mas pensar nas tristezas de Jesus, nunca me passou pela cabeça.
– Jesus teve momentos de tristeza que devem ser meditados. – disseram.
O resto da noite os meninos não me deixaram dormir, foram embora já amanhecendo.
Nesse tempo, repassaram comigo todos os meus erros até aquele momento.
Já pela manhã, seguimos rumo a Jerusalém, e uma coisa curiosa aconteceu no Santo Sepulcro: vi uma senhora, muito nervosa, com um pedaço de pano na mão, dizendo a todos que o iria passar no sepulcro de Jesus, de qualquer forma. Empurrava a todos e abria caminho aos trancos e barrancos, rumo ao destino, ou seja, ao sepulcro.
Quis a Providência que, neste exato momento, eu também entrasse e a visse nervosa esfregando o pano no mármore, com toda a força.
– Por que faz isso? – perguntei-lhe.
– Porque isto para mim é a comunidade que vivo; será uma relíquia, vamos guardar este pano com muito carinho.
– Por quê?
– Ora, porque foi passado no túmulo de Jesus!
– Mas Ele, aqui, esteve morto. Por que não passa esse pano no sacrário da comunidade onde vive? Lá Ele está vivo, não acha?
Ela me olhou com espanto e desatou a chorar, jogou o pano fora e saiu dali às pressas, muito conturbada.
Eu fiquei também assustado com minha atitude; mas achei que Deus se valeu de mim para dar uma lição naquela mulher.Quando saí da basílica do Santo Sepulcro, vi os meninos brincando na pequena praça com uma espécie de coroa de espinhos. Quis me aproximar deles, mas eles fugiram e não os vi mais.
Na volta, de retorno ao hotel, tive uma surpresa: uma missionária que estava conosco achou no canteiro uma coroa de espinhos e me presenteou com ela. Eu me assustei e discerni que era a mesma coroa com a qual os meninos estavam brincando na praça do Santo Sepulcro.
O resto correu sem maiores problemas.
No dia seguinte seguimos para a Galileia. E foi na beira do lago que tive com os meninos um diálogo que me conturbou profundamente.
A conversa correu de forma que os três falavam, davam uma pausa e assim foi até o final.
Estava assentado numa pedra, esperando que o nosso grupo arranjasse o barco que nos levaria lago adentro, quando percebi a meu lado os três meninos, dois à minha direita e um à esquerda.
Fui logo perguntando:
– O que vocês estão fazendo aqui? Por que fugiram de mim na praça? Que presente foi aquele que recebi no hotel?
O da esquerda disse:
– Estamos aqui para lhe mostrar que é necessário crer naquilo que anunciamos. Não fugimos de você, e aquele foi o nosso presente, para que ponha na cabeça quando a dúvida tomar conta de seu coração.
– Vocês acham que vou colocar na minha cabeça uma coroa de espinhos?
– Achamos, quando terminar nossa conversa!
– Que conversa?
– Quando anuncia, através dos evangelistas do Mestre, Seu retorno, como pensa que isto se dará?
– Não penso nada, falo aquilo que percebo no Evangelho; e isto me basta!
– Pensa em como Jesus retornará?
– Penso, por que não?
– Como?
– Onde vocês querem chegar?
– Queremos que você admita que seus pensamentos racionais interferem em seu intelecto, e sua vida espiritual encontra-se em perigo.
– Perigo? Como assim?
– Fala de uma forma e pensa doutra!– Não entendi!
– Quando anuncia a vinda do Mestre à terra pela segunda vez, você o anuncia de uma maneira espiritual, mas seu pensamento está voltado para o racional do que anuncia, não é?
– Isto talvez seja produto do meio em que vivo, com tanta gente anunciando besteiras, sem nenhuma base teológica, marcando datas e nada acontecendo, se valendo de trechos bíblicos sem nenhuma autoridade, com o intuito de tão-somente ganhar alguns trocados com as vendas dessas informações. Isto faz com que meu espírito entre em conflito com o que anuncio e com o que vivo.
– Não tem fé nas revelações da doce Senhora e nas nossas?
– Fé? Eu vejo Nossa Senhora e vejo vocês, todos falam comigo, amasso um pão difícil de engolir, todos me perseguem, me pus a descoberto com o que vocês me falaram a respeito da vinda do Senhor Jesus, e escutei tudo o que Nossa Senhora me revelou a respeito das aparições dela em Lourdes, Paris e Portugal, quase fui linchado no México, e ainda me pergunta se tenho fé?
– Perguntamos. Tem fé naquilo que escuta de nós?
– Bom, fé eu tenho; mas, às vezes, me batem uns problemas para os quais não acho resposta.
– Qual?
– Jesus!
– O quê? – insistiram.
– Ele retornará em corpo, como nós, e vai dirigir a Igreja, o Papa, os cardeais, os bispos e os padres; e o que vai ser destes? Vão todos ficar sem suas funções?
– Estas e outras indagações não foram para nossa esfera angélica e nem para a alma de vocês; simplesmente não pensamos nisto, apenas cremos que o Mestre retornará; o método será Dele e não nos cabe racionalizar sobre isto. Existe entre o Céu e a terra uma imensidade de coisas que não correm à beira do caminho racional.
– Mas, se penso com meu cérebro, não peco, porque procuro não intervir, em palavras e atos, com minhas dúvidas; faço tudo o que vocês me pedem.
– Você anuncia que ninguém dá o que não tem, não é?
– É, falo!
– Então, por que tenta dar o que não tem?
– Não entendi!– Por que tenta fazer o que lhe pedimos, se em seu íntimo existe uma luta intensa que o impede de dar à sua convicção aceitar o retorno de Jesus com o método Dele? Isto lhe basta?
– Sinceramente, não!
– Você não proclama que Jesus andou sobre estas águas?
– Claro!
– Por quê?
– Porque está escrito no Evangelho!
– Acredita nisso?
– Sinceramente, acredito!
– Não é a história da Igreja esse fato?
– Sim, é a história da Igreja! E ali mostra que Jesus retornará.
– Então? Se você não se desvencilhar de seus raciocínios, abrirá uma brecha enorme ao diabo, para que tudo o que lhe anunciamos caia nas raias do racional; e quando tudo estiver pronto para o retorno de Jesus, grande parte do que lhe anunciamos ficará perdido. O demônio estará com as rédeas do seu intelecto nas mãos e vocês não poderão receber o Grande Mestre com a luz de suas lâmpadas, porque elas estarão apagadas e não poderemos lhe ajudar a acendê-las. Será tarde demais.
O grande ardil do demônio é alimentar seu raciocínio com coisas terrenas; e nós estamos lhe falando sobre coisas do Céu, compreende?
– Compreendo, vocês desejam que eu não questione o retorno de Jesus, não é isso?
– Se você não se adentrar pelos caminhos espirituais, seu testemunho será como o da Igreja: engavetou o pedido da amada Senhora, porque teve medo de que isto não se realizasse. Você, no íntimo, está fazendo o que os papas fizeram, com a diferença de que eles agiram racionalmente e você cria em seu íntimo uma dúvida que, sem que você perceba, irá interferir no que fala. Nós o trouxemos aqui, à beira deste lago, para que o possamos advertir, porque desejamos que Deus continue confiando em você.
– Deus confiar em mim? O racional é confiarmos nele.
– O racional é, mas é necessário conquistar primeiro a confiança de Deus, e esta conquista é espiritual.
– O que vocês desejam de mim?
– Desejamos lhe fornecer o prêmio da perseverança, se for capaz de fazer o que lhe propomos!
– Meu Deus, que prêmio? Não desejo nada!
– Mande fazer uma carta, que deverá ser oficializada na língua daIgreja, e guarde-a até o ano que vem. Inicie sua postagem, dirigida ao Papa, a partir do dia 1º de janeiro, e será uma por mês, totalizando ao todo 84 cartas, alterando somente as datas, e que este procedimento perdure durante 7 anos. 
– O que vou escrever?
– Diga o que sente a respeito da vinda de Jesus e alerte o Papa sobreo fato, sem falar sobre visões ou aparições da doce Senhora a você ou a qualquer outra pessoa.
– O Papa vai acreditar nisso? Não! Nem quando Nossa Senhora apareceu a crianças no passado, vai acreditar em mim?
– Você continua racionalizando as coisas e agora não acredita em nós.
– Meu Deus, vocês me deixam confuso!
– Faça o que estamos lhe propondo, que terá o Vaticano na porta da Capela Magnificat.
– Vou fazer.
– Deseja colocar a coroa em sua cabeça, agora? – perguntaram-me sorrindo.
– Não, não vou fazer isto, vou procurar pensar o espiritual e confiar nos métodos de Jesus.
– É, não apague as velas!
– Que velas?
– As que você viu na gruta de Lourdes. Elas representam nossa fé, que, sem vacilar, apagamos quando isso vem contra nossos propósitos racionais.
A barca que levará vocês ao meio do lago já está à espera; entre nela e pense bastante sobre nossa conversa à beira deste lago, onde você mesmo disse que Jesus andou sobre elas.
– Onde vocês vão?
– Nós não vamos, nós sempre estamos. Vamos lá, entre no barco!
Entrei no barco e fiquei pensativo durante toda a viagem, meditando sobre a conversa que tive com os “meninos”.

1. Mateus 1,19 – 2. Mateus 2,13 – 3. Mateus 2,16 – 4. Mateus 4,1-11 – 5. Mateus 14,8 – 6. Mateus 16,21 – 7. Mateus 24,2 – 8. Mateus 26,1 – 9. Mateus 26,23 – 10. Mateus 26,37 – 11. Mateus 26,48 – 12. Mateus 26,56 – 13. Mateus 26,70.72.74 – 14. Mateus 27,5 – 15. Mateus 27,26

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana