Diálogos com os Anjos e Raymundo Lopes

Myriam

Quem é Myriam - Vila Del Rey, 16 de dezembro de 2012 - Capela Magnificat

A historia-dos-tres-Anjinhos-raymundo lopes

Retornava do SIM, onde fui atender a Maria Alves e o Francisco Lembi com minha presença na aula de catequese. Tinha estado lá pela manhã, e à tarde eles, na pessoa da Janaína, vieram me buscar; fomos eu e a Bá. Tentei passar para os presentes o poder de Maria  Santíssima, e achei que tinha conseguido, quando no retorno presenciei uma coisa para mim estranha: na porta da Capela Magnificat vi o ‘menino’ (anjo) de azul, que me parecia estar rindo. Ele colocava a mãozinha na boca e ria. Não dei importância. No salão onde tem uma imagem de São José, o ‘menino’ de vermelho estava assentado no vão do nicho, e também parecia estar rindo, colocava a mãozinha na boca e olhava para mim. Fiquei com muita raiva e resolvi subir ao andar onde está a mesa com meu computador, quando me deparei com o ‘menino’ de amarelo assentado em minha cadeira.
Perguntei-lhe:
– Você também não vai rir de mim?
– A situação realmente tende a passar para nós a sensação daquilo que vocês chamam de alegria com pouca informação, isto é, parece-nos que você tentou, sem nossa ajuda, explicar com suas palavras o poder da Bela Senhora, mas infelizmente não conseguiu em todo o poder da informação correta.
– O que foi que fiz de errado?
– Nada, apenas faltou alguma coisa que sabemos, mas vocês ignoram!
– Pode me dizer o que faltou?
– Se você desejar entender e saber, podemos!
– Eu quero!
Então vi subir pela escada os outros dois: o de vermelho e o de azul; assentaram-se no chão, perto de mim, e, olhando-me com curiosidade, permaneciam dessa forma. Eu me senti ridículo, mas permaneci na situação de escuta, quando os três, em uníssono, falaram:
– Pode perguntar!!!
– Perguntar o quê? Foram vocês que iniciaram a situação!
– Não! Foi você tentando explicar, com poucas palavras, o universo maravilhoso que envolve o poder da Bela e Serena Senhora, a Mãe de Yeshua, a escolhida por Aquele Que Tudo Comanda, para colocar no lugar onde todos nós estamos, pleno daquilo que foi feito e que pelo poder do pensamento inexato foi desfeito.
– Não estou entendendo nada, mas vou tentar escrever, ok?!
– Você vai entender e vai escrever, porque iremos ajudá-lo.
– Não posso fazer isso sozinho?
– Poder, pode! Mas vai suscitar em nós a sensação daquilo que vocês chamam de ‘alegria com pouca informação’.
– Não desejo isso!
– Então escute-nos!
Eles começaram a falar.
O de vermelho:
– No princípio tudo estava no caminho correto, como lhe informamos em Curitiba, e o ‘Filho da Alva’, sobrepujando a todos nós, permanecia na presença d’Aquele Que Tudo Comanda, porque ele tinha um conhecimento de inestimável valor acerca das riquezas eternas, o que vocês da terra não possuem. Era um ser celeste formoso, e assim teria permanecido se não houvesse rompido sua aliança com Aquele Que Tudo Comanda. O pensar inexato originário do ‘Filho da Alva’ é algo do não entendimento de vocês, porque brotou num universo sem mácula. Como não poderia comandar o espaço criado no Céu, desejou comandar a terra, isto é, se tornaria a mais elevada autoridade contra o governo do Céu.
O de azul:
– Deus, por causa disso, desejou ser homem, porque com a libertação da raça humana livre do pecado original, o homem conquistaria um lugar perto d’Aquele Que Tudo Comanda. Somente através da humanidade divina, essa brecha seria preenchida.
O de amarelo disse com ênfase e entusiasmo:
– Deus quis ter uma mãe nesse processo, e escolheu, entre todas, aquela que numa época certa estaria disponível para esta tarefa, numa época correta na história, num povo que desde os primórdios da criação tinha solução para a discórdia criada pelo ‘Filho da Alva’. Tinha que ser uma mãe perfeita, para reinar absoluta entre todas as outras, e tivesse condição de fazer entrar na área de Deus aqueles que, dispondo de aptidões, preenchesse os quesitos fornecidos para que sejamos todos nós perfeitos, como o Pai é perfeito.
– Quem é essa?
Os três responderam:
–Myriam!!!
Disse o de vermelho:
– Ela deve ser linda, como um lírio do campo.
Disse o de amarelo:
– Ela deve ser pura e lapidada como um cristal sem mancha.
Disse o de azul:
– Ela deve ser sábia como é a mente de Deus!
– Por que tudo isso? – respondi.
– Para enfrentar o ‘Filho da Alva’, ela teve que preencher todos esses quesitos.
– É, pensando bem, para enfrentar o diabo, essa pessoa deve ser tudo isso.
– Podemos continuar falando como Deus concebeu Myriam? – disse o de azul.
– Ainda tem mais?
Continuou o de azul:
– Quando o ‘Filho da Alva’, criando um aspecto (lado, face) que não existia no Céu, que vocês denominam ‘ciúme’, mas que entre vocês (criaturas humanas) existe, e é uma denominação muito maior do que imaginam, Deus, num ato de amor que não é explicável por vocês, concebeu ir ao mundo de vocês sendo homem, não Deus, sendo cria de uma mulher, tendo todo o aspecto (aparência) humano mas isento daquilo que resultou a queda do ‘Filho da Alva’ (o pecado). Deus, na pessoa de Yeshua, exaltou aquele ventre que o acolhia e concedeu a ela o poder de levantar uma barreira entre o ciúme e o amor d’Aquele Que Tudo Comanda. Ela, como você deixou claro, existiu no mundo de vocês e hoje existe no mundo angélico como uma bandeira desfraldada (aberta), como sinal de que é a única com posição definida de compreender o modo de vida de vocês.
O anjo de amarelo disse:
– Myriam tem o propósito de preencher a
lacuna deixada por aquele que desafiou o poder maior, aceitando ser aquela que foi o fio condutor entre o Céu e a terra.
O de vermelho arrematou:
– Somente Myriam tem o poder de enfrentar o ‘Filho da Alva’, levando espíritos humanos ao Céu; e nós fomos incumbidos de escoltá-la em sua tarefa.
– Eu já desconfiava disso. – falei sem raciocinar.
Disse o de vermelho:
– Não desconfiava, não, pressentia! Essa mulher, indicada por Aquele Que Tudo Comanda, tem em mente terrena o conhecimento da sabedoria humana. Onde nós existimos, ela tem em mente o plano d’Aquele Que Tudo Comanda em estabelecer a plenitude de nós espíritos angélicos. Ela é nosso centro de atenção, nossa esperança. Ela está estabelecida em conceber Yeshua mais uma vez, quando essa lacuna estiver preenchida; e somente Aquele Que Tudo Comanda sabe a hora.
– Está na hora?
– Pelos sinais, a Mulher está outra vez em trabalho de conceber. Estamos atentos ao nascimento de Yeshua mais uma vez para a derrota definitiva do ‘Filho da Alva’. Nesse momento o Céu será completo com alguns de vocês.
– Serão poucos?
Disse o de azul:
– A quantidade pertence à sabedoria d’Aquele Que Tudo Comanda; mas, pelo amor desprendido por Yeshua, todos vocês foram convidados.
– Eu falo que Nossa Senhora não é boba, não diz besteiras e não fala além das medidas.
Disse o de amarelo:
– Vocês fizeram da imagem de Myriam uma figuração, com olhos naquilo que idealizou o ‘Filho da Alva’. Myriam foi formada na mente de Deus para o propósito de preencher a lacuna deixada por aqueles que discordaram do amor divino. Myriam é hoje uma desco-nhecida até por aqueles que obtinham o privilégio de vê-la.
– Ela sabe disso, por que deixou?
– Pelos motivos que Yeshua se deixou crucificar. – disse o anjo de azul.
O anjo de amarelo disse:
– Myriam não é uma simples mulher judia, ela  é a ‘Filha de Sião’, o ‘Anúncio da Salvação’.
Disse o anjo de azul:
– O Espírito Santo de Deus, que presidiu a criação do mundo, inaugura na concepção de Yeshua a criação de um mundo novo através de Myriam.
Disse o anjo de vermelho:
– Em aramaico da época de Yeshua, Myriam significa princesa, senhora.
Disse o de azul:
– Myriam entra na plena luz. É ela que aparece nos inícios da vida de Yeshua como papel principal, com uma verdadeira personalidade, ela que no início da Igreja toma parte com os discípulos na oração. O próprio Yeshua a define como fiel. Essa tomada de consciência progressiva do papel de Myriam não deve ser explicada simplesmente por motivos psicológicos, pois ela reflete uma compreensão cada vez mais profunda do próprio mistério da encarnação de Yeshua, inseparável de Myriam, da qual Yeshua quis nascer.
Disse o de vermelho:
– Em todos os níveis da tradição da Igreja, Myriam é a mãe de Yeshua e Yeshua define toda sua função na obra da salvação.
Disse o anjo de vermelho:
– Além disso, com relação a Yeshua, Myriam encontra-se numa situação privilegiada que não pertence a nenhum outro membro da Igreja. Ela é a mãe de Yeshua, e ela o é volun-tariamente. É para a Igreja de Deus que ela aceita dar à luz aquele que é Filho d’Aquele Que Tudo Comanda. Myriam representa a Igreja, e essa Igreja engaja nessa aceitação que o Todo-Poderoso propõe.
O de azul completou:
– Pode-se acaso esquecer que tal mistério da encarnação de Yeshua se realizou concretamente em Myriam e que essa mulher é mãe de um mero símbolo? Não teve a graça de uma existência pessoal? É nessa conexão com o mistério da Encarnação  que o mistério de Myriam se esclarece à luz daquilo que fora escrito sobre ela.
Completou o de amarelo:
– O mistério da maternidade de Myriam implica uma união total com o mistério de Yeshua na sua vida terrestre.
– Não vou poder escrever tudo isso, e é importante para as pessoas, porque acreditam que Myriam, como vocês a chamam, aparece em todos os lugares para solicitar coisas que além de não termos condições de cumprir, parecem diferentes daquela que conversa comigo.
– Você vai poder escrever, porque isso está sob nosso controle e, infelizmente, a imagem que vocês possuem de Myriam é distorcida pelo racional que governa o mundo, infelizmente, infelizmente, podemos dizer.
– Desejamos lhe explicar o que presenciou em nosso encontro que passou!
– O que presenciei?
– O que contém a Bíblia Judaica nos capítulos 66, 65, 59 e 48 de Yesha‘yahu. Você deseja ouvir?  Vai lhe esclarecer muita coisa!!
– Quem é Yesha‘yahu?
– Procure na Bíblia Judaica!!
Procurei e encontrei; quer dizer Isaías.
– Claro que desejo, porque não entendi nada!!
O de vermelho falou:
– No capítulo 66, Aquele Que Tudo Comanda desejou, no versículo 15, que Yeshua virá em seguida até que o tempo termine em 2036. Não sabemos como, mas o tempo é esse. Preste atenção naquilo que a Bela Senhora lhe confidenciou na praça de Wojtyla (Praça do Papa - BH). Você guardou com você as palavras dela. Fez bem, porque isso era uma tarefa a ser cumprida, e você a cumpriu. Nós sabemos a importância disso, mas não estamos autorizados a lhe prestar informações.
O de azul falou:
– No versículo 16, está contido o julgamento que será feito para separar aqueles que são caros a Yeshua, e muitos serão rejeitados. Não temos autoridade para ir além disso.
O de amarelo disse:
– Yeshua diz que se tornará acessível a quem estiver unido a Ele. E Ele estenderá sua mão a todos; mas não estou autorizado a dizer nada mais além disso.
O de azul disse:
– No capítulo 59, versículo 20, Yeshua diz que Ele virá impelido pelo Espírito d’Aquele Que Tudo Comanda, porque assim determinou as consequências por Ele comandadas. Não posso determinar para você nada além disso.
O de amarelo disse:
– No capítulo 48, versículos 3 a 8, Yeshua fala que lhe mostrou (a Raymundo), desde seu nascimento, essas coisas; e neste tempo estará anunciando-lhe coisas novas que você não conhece. E Ele lhe chama a atenção, porque Ele lhe chama rebelde desde que nasceu.
No versículo 18, do capítulo 66, Yeshua estará dando sinais; e aqueles que estiverem escolhidos, sobre o pleno discernimento, verão Yeshua como ele se apresenta.
– Posso tornar público isto, porque percebo ser de uma importância muito grande para as pessoas?
– O livro está selado. Diga a todos que ele está selado, mas estará aberto àqueles que estiverem aptos; para o restante, estará selado. Todo o mundo conhecido não estará apto a escutar isso, porque está selado, ele se abrirá somente àqueles que possuem ouvidos espiri-tuais para escutar essas palavras. O livro está selado e continuará selado, mas quem estiver apto a escutar, escute.   

Raymundo Lopes    

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana