Notícias da Igreja no Brasil

Santuário de São Sebastião, no Rio de Janeiro,
é elevado a Basílica Menor

Santuário de São Sebastião, no Rio de Janeiro,

Santuário Basílica de São Sebastião - Foto: Emilton Rocha


O Santuário São Sebastião Frades Capuchinhos, na Arquidiocese do Rio de Janeiro, foi elevado pelo Papa Francisco ao grau de Basílica Menor, o mais alto posto que uma Igreja pode alcançar. “Com a nova Basílica, a Igreja Católica do Rio assume uma responsabilidade maior de ajudar a cidade e os habitantes”, disse o Arcebispo, Cardeal Orani João Tempesta, durante a celebração no domingo, 1º de novembro.

Dom Orani representou o Papa Francisco e presidiu a cerimônia de elevação, que contou com a presença de autoridades civis e religiosas.

“Com alegria nós participamos desta celebração de elevação do Santuário São Sebastião Frades Capuchinhos à Basílica Menor nesta solenidade de Todos os Santos”, expressou o Cardeal.

Segundo ele, “além da ligação com Roma, da autorização do Santo Padre para que ocorresse essa elevação, nós sabemos que neste ano em que a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro completa seus 450 anos trazemos à tona uma ligação muito importante que sempre existiu e que hoje nós temos o compromisso de reavivá-la nessa nossa cidade, que quando foi criada já nasceu e foi fundada justamente com a devoção a São Sebastião, sendo marcada desde o início pela ligação com a fé católica”.

Durante a cerimônia, foi lido o decreto que elevou o Santuário à Basílica Menor e houve a entrada das insígnias papais: a Umbrela Basilical e o Tintinabulo.

Ao final, foi assinada a ata de elevação da Igreja à Basílica pelo Cardeal Orani, pelo Provincial da Ordem dos Capuchinhos do Rio de Janeiro e Espírito Santo, Frei Luiz Carlos Siqueira, pelo Reitor do Santuário Basílica de São Sebastião, Frei Arles de Jesus, e pelo secretário municipal de Cultura, Marcelo Calero.

O anúncio da elevação do Santuário a Basílica Menor ocorreu em 17 de junho, quando o presidente da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Robert Sarah, enviou uma carta a Dom Orani Tempesta, na qual informava sobre a autorização. “A concessão deste título a esta importante Igreja, intensificando o vínculo particular com a Igreja de Roma e com o Santo Padre, quer promover a sua exemplaridade como verdadeiro centro de ação litúrgica e pastoral na diocese”, afirmava o comunicado.

De acordo com o site do Santuário Basílica, a data escolhida para a cerimônia, 1º de novembro, foi em virtude da memória à última Missa no Morro do Castelo, na área central da cidade, que completou 94 anos de sua realização.

Era no Morro do Castelo onde originalmente localizava-se a Igreja de São Sebastião dos Capuchinhos. Quando o morro foi demolido, em 1922, o templo também foi destruído. Mais tarde, foi reconstruído na Tijuca, sendo inaugurado em 15 de agosto de 1931.

Também para a nova Igreja de São Sebastião, na Tijuca, foram transportadas as “Relíquias Históricas da Cidade”: os restos mortais do fundador do Rio de Janeiro, Estácio de Sá, morto em 1567; o marco zero da cidade fundada em 1565; e a pequena imagem de São Sebastião de 1563.

A Igreja de São Sebastião foi declarada Santuário Arquidiocesano neste ano, durante as comemorações pelo dia do padroeiro, em 20 de janeiro.

Agora, o Santuário Basílica de São Sebastião é a primeira Basílica de um santo mártir e homem na cidade do Rio de Janeiro. A Arquidiocese possui outras quatro: Basílica Imaculada Conceição, na Praia de Botafogo; Basílica de Nossa Senhora de Lourdes, em Vila Isabel; Basílica de Santa Teresinha do Menino Jesus, na Tijuca; e a Basílica Imaculado Coração de Maria, no Méier.

Fonte do site acidigital

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana