oracoes-da-obra-missionaria

Cardeal Parolin comenta ataques midiáticos contra a Igreja

Cardeal classificou ataques midiáticos como pouco racionais e muito emotivos

Cardeal Parolin comenta ataques midiáticos contra a Igreja

O Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin, em entrevista à Rádio Vaticano, nesta terça-feira, 10, comentou o caso “Vatileaks” e a reforma da Cúria romana. O cardeal classificou os ataques midiáticos contra a Igreja como “pouco racionais e muito emotivos”.

Na entrevista, Parolin afirmou: “Não acredito que estas polêmicas possam criar uma atmosfera serena. Efetivamente, há um clima pesado. Se lermos os jornais, o que vemos são ataques talvez poucos racionais, pouco pensados, muito emotivos para não dizer histéricos. Há o provérbio que diz: Deus escreve certo por linhas tortas. Certamente, não acredito que sejam ataques bem intencionados. São ataques à Igreja. Podem, contudo, traduzirem-se ou transformarem-se em um bem se os recebermos com aquele espírito de conversão e de retorno ao Evangelho que o Senhor nos pede. Eu procurarei dar atenção a este aspecto justamente porque, de conversão, todos nós sempre temos necessidade”.

Ao ser perguntado sobre a fala do Papa no último Angelus, em que disse que prosseguirá na ação da reforma, o cardeal lembrou das dificuldades nas mudanças: “Mudar as coisas é sempre difícil porque todos somos tentados a continuar em nossa tranquilidade, em nosso “la la la” de todos os dias. Neste sentido, é preciso vencer as resistências. Defini-las fisiológicas é muito pouco, defini-las patológicas é demais. São resistências presentes. Acredito que seja também importante afrontá-las de maneira construtiva, de modo que possam se transformar. Acredito que esta seja a chave para esse caso: transformar aquelas que podem ser as normais resistências diante das mudanças em instrumentos de reforma. E todos têm este desejo de mudar para melhor. Aquela melhoria que o Papa em primeira pessoa pediu à Cúria.”

 

Fonte do site canção nova

 

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana