Notícias sobre o Papa Francisco

Igreja é fiel se seu único tesouro é Jesus, diz Papa em homilia

Na Missa de hoje, Papa falou sobre a “viuvez” da Igreja, que é fiel
quando sabe esperar por seu esposo Jesus

Papa Francisco em celebração eucarística na Casa Santa Marta / Foto: L'Osservatore Romano

Papa Francisco em celebração eucarística na Casa Santa Marta / Foto: L’Osservatore Romano

A Igreja é fiel se o seu único tesouro e interesse é Jesus, mas é “morna” e medíocre se procura sua segurança nas coisas do mundo. Essa foi a reflexão central do Papa Francisco em Missa nesta segunda-feira, 23, na Casa Santa Marta.

No Evangelho, o relato da pobreza da viúva que depositou no tesouro do templo duas pequenas moedas enquanto os ricos ostentavam suas grandes ofertas. Para Jesus, foi a maior oferta de todas, pois ela deu o que tinha para viver, não o que estava sobrando.

Francisco explicou que essa viúva tinha a sua esperança somente no Senhor; ele acrescentou que gosta de ver nas viúvas retratadas no Evangelho a imagem da viuvez da Igreja que espera o retorno de Jesus.

“A Igreja é a esposa de Jesus, mas o seu Senhor foi embora e o seu único tesouro é o seu Senhor. A Igreja, quando é fiel, deixa tudo por causa da espera de seu Senhor. Quando a Igreja não é fiel ou não é muito fiel ou não tem muita fé no amor de seu Senhor procura se arranjar com outras coisas, com outras seguranças, mais do mundo que de Deus”, disse.

Segundo o Papa, as viúvas do Evangelho dão uma mensagem bonita de Jesus sobre a Igreja. Ele deu exemplos retomando algumas passagens bíblicas:

“Tem aquela sozinha, única, que saia de Nain, com o caixão de seu filho: chorava, sozinha. Sim, as pessoas tão boas, a acompanhavam, mas o seu coração estava só! A Igreja viúva que chora quando os seus filhos morrem à vida de Jesus. Tem aquela outra que, para defender os seus filhos, vai até o juiz iníquo: torna sua vida impossível, batendo à sua porta todos os dias, dizendo ‘faça-me justiça!’. No final, faz justiça. É a Igreja viúva que reza, intercede por seus filhos. Mas o coração da Igreja está sempre com seu Esposo, com Jesus. Está nas alturas. E também nossa alma – de acordo com os pais do deserto – se parece tanto à Igreja. E quando nossa alma, a nossa vida, está mais próxima de Jesus, se afasta de tantas coisas mundanas, coisas que não servem, que não ajudam e que afastam de Jesus. Assim é a nossa Igreja que procura o seu Esposo, espera o seu Esposo, espera aquele encontro, que chora por seus filhos, luta por seus filhos, dá tudo aquilo que tem porque seu único interesse é o seu Esposo”.

A ‘viuvez’ da Igreja, esclareceu o Papa, refere-se ao fato de que a Igreja está esperando Jesus: “pode ser uma Igreja fiel a esta espera, aguardando com confiança o retorno do marido, ou uma Igreja não fiel a esta ‘viuvez’, procurando seguranças em outras realidades: a Igreja morna, a Igreja medíocre, a Igreja mundana. Francisco convidou os fiéis a pensarem também se suas almas procuram segurança somente no Senhor ou procuram outras seguranças que o Senhor não gosta.

“Nestes últimos dias do Ano Litúrgico, fará bem nos perguntarmos sobre a nossa alma: se é como esta Igreja que Jesus quer, se a nossa alma volta-se ao seu esposo e diz: ‘Vinde, Senhor Jesus! Vinde!’. E que deixamos de lado todas as coisas que não servem, que não são de ajuda à fidelidade”.

Fonte do site canção nova

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana