Ele manda nos espíritos impuros com autoridade e poder

(Lucas 4,31-37)

Basílica de Lourdes, 02 de Setembro de 2014

Naquele tempo, Jesus desceu a Cafarnaum, cidade da Galileia, e aí ensinava-os aos sábados. As pessoas ficavam admiradas com o seu ensinamento, porque Jesus falava com autoridade. Na sinagoga, havia um homem possuído pelo espírito de um demônio impuro, que gritou em alta voz: “O que queres de nós, Jesus nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o santo de Deus!” Jesus o ameaçou, dizendo: “Cala-te e sai dele!” Então o demônio lançou o homem no chão, saiu dele e não lhe fez mal nenhum. O espanto se apossou de todos e eles comentavam entre si: “Que palavra é essa? Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem”. E a fama de Jesus se espalhava em todos os lugares da redondeza.

EXPLICAÇÃO DO EVANGELHO

São Lucas nos conta que Jesus estava na Sinagoga, a Igreja daquela época, quando apareceu uma pessoa endemoninhada e essa pessoa começou a falar com Jesus, “Eu sei quem tu és, tu és o filho de Deus, você veio aqui para nos destruir?” Então, Jesus, numa palavra clara e sem problema, disse-lhe “Cala-te e sai dele!” O Demônio lançou o homem no chão, saiu dele e não lhe fez mal nenhum.
Dois mil anos já se passaram e ninguém mais acredita no demônio. Fala-se, até nas igrejas, que o demônio não existe. A maior força que o demônio tem é as pessoas acreditarem que ele não existe. Quanto mais as pessoas acreditarem que o demônio não existe, mais força e poder ele tem. É claro que o demônio existe, é claro que o demônio tenta as pessoas, é claro que o demônio leva as pessoas as ficarem contra Deus.
Sabemos que, nestes anos todos, desde o Seu nascimento, Jesus está na terra, para destruir as forças do mal, para destruir aquilo que o demônio planta, destruir aquilo que ele impõe às pessoas. Na ignorância das coisas de Deus, algumas pessoas costumam dizer que o demônio é uma invenção, uma fantasia, que isto tudo é uma brincadeira, que ele não existe, pois tudo que Deus faz é bom e que Ele, então, não iria criar o Demônio que é o próprio mal.
É necessário que todos acreditem que o Demônio foi criado num momento bom de Deus, foi criado para fazer o bem, mas fazendo uso do seu livre-arbítrio escolheu viver nas trevas. O Demônio é uma figura verdadeira, clara e real em nossa vida, uma figura que tenta, que influência, que nos instiga para o mal.
O mundo hoje está muito conturbado, cheio de guerras, maledicências, mentiras, drogas, isto porque ali está o demônio, ali está toda aquela figura do diabo, todo o poder do maligno, toda tentação diabólica que intenta conduzir todos ao afastamento de Deus. É um pecado contra Deus não crer no Diabo, não crer naquilo que ele promove no mundo. No entanto, tudo está aí, tudo está acontecendo para quem quiser ver e acreditar.
Deus não passa por cima do livre-arbítrio das pessoas. Aquele que quiser ser mal será mal. Aquele que resolver não acreditar na presença do demônio acaba fazendo tudo o que ele quiser.
Deus é amor. Deus não mata nunca, Deus não passa por cima do nosso livre-arbítrio. Deus permite que as coisas aconteçam. Ele deixa que o joio cresça. Hoje se fala muito do joio, mas ninguém conhece joio. O joio é uma plantinha muito parecida com o trigo, mas é muito maior do que ele. Percebemos logo, quando uma seara está cheia de joio, porque ele é maior do que o trigo. O joio cresce mais e é mais maravilhoso, é mais bonito.
Onde é que está o demônio? Está no joio, está naquilo que a gente vê crescer demais diante de nós. Está naquilo que muitos chamam de fé, mas que, na hora de mostrar realmente a fé, ela desaparece. Está naquele momento da nossa doença, do nosso problema, da situação financeira precária e não aceitamos, não compreendemos os desígnios de Deus.
Mas Deus é amor, Deus não mata, Deus só cria, Deus não manda sofrimento para ninguém, Deus não mexe no livre-arbítrio das pessoas, Deus respeita a escolha de cada um.
Podemos fazer o que quisermos: até não acreditar no diabo, embora este seja um pecado contra Deus, porque está negando uma verdade de Deus, não está sendo obediente a Deus. Se você não acreditar na existência do demônio, como acreditar no amor de Deus? Como não acreditar neste amor que permite que, às vezes, aconteçam coisas estranhas em nossa vida? Como não acreditar nessa vontade que parece que não está fazendo a vontade?
Ao ouvir dizer que alguém morreu é o mesmo que dizer que ele foi para algo muito mais bonito, mais proveitoso, ele foi encontrar-se com Deus, mas pode ter ido, também, encontrar-se, com o Diabo. É isso que nós temos que pensar em nossa vida. Porque, quando morremos, temos sempre aquele abraço afetuoso de Deus a nos esperar. E quando morremos podemos ter, também, aquele afastamento de Deus, aquele vazio, e perguntar: “Onde está Deus, onde está aquela felicidade? Este lugar é horrível, o que tem aqui?” É o afastamento de Deus, é o afastamento do Espírito Santo, é o afastamento de Jesus. É isso que nós não podemos correr o risco.
Jesus exorcizou muitas vezes o diabo. Acreditem no diabo, na sua real presença entre nós. E quando ouvirmos dizer que o diabo não existe, devemos afirmar: Existe sim! A melhor coisa para o Diabo é todos acreditarem que ele não existe.
A moda, hoje, é que se pode fazer qualquer coisa, perder a fé, acreditar nesta imoralidade reinante, que não leva a lugar nenhum, acreditar nestes governos caindo, governos subindo, acreditar na corrupção, acreditar nesta moralidade decadente. Acreditem! Porque depois, quando morrermos, veremos outra coisa!
Veremos que a morte do corpo é a morte do corpo, mas após esta morte poderá ter uma nova vida, aí a morte pode ser vida. Vida Eterna na companhia de Deus. Onde existe apenas o amor de Deus, este amor que apenas Deus pode nos dar. Deus não passa sobre o nosso livre-arbítrio, Deus deixa tudo acontecer.
O diabo existe e não acreditar na sua presença é um pecado contra Deus, neste pecado, se houver arrependimento, Deus ainda pode perdoar, mas aceitar o comando do Demônio, permanecendo com o coração endurecido evitando-se acolher os atos de misericórdia do Espírito Santo, é pecar contra o Espírito Santo, este pecado não tem perdão, e o endurecimento pode levar à impenitência final e à perdição eterna.

(Evangelho explicado por Raymundo Lopes)

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana