Humildade e Perdão (Mt 18,21-35)

Basílica de Lourdes, 01 de março de 2016

Naquele tempo, Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Porque o reino dos céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrando, suplicava: ‘Dá-me um prazo! E eu te pagarei tudo’. Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.
Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! E eu te pagarei’. Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. Não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’ O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.

EXPLICAÇÃO DO EVANGELHO

Antes de falar sobre o Evangelho de hoje, vou contar para vocês uma coisa interessante, é uma confissão pública. 
Eu sei que quando a coisa ataca o coração da gente, a gente deve colocar para fora. Hoje é um dia importante para mim, porque é um dos aniversários daqueles momentos que nós resolvemos fazer aquilo que Nossa Senhora está pedindo, como: vá à Basílica, reze na Basílica, faça o possível para poder manter o terço na Basílica. Na última terça-feira em que eu estive aqui, eu falei com Ela:
– Me ajude a subir esses altares, me ajude a subir esses degraus desses altares! Ela me respondeu-me!_Na próxima terça-feira, Jesus me prometeu que vai, Ele mesmo, lhe dar a resposta de humildade. Hoje, ao chegar aqui, percebi que, ao invés de eu subir o altar, Jesus desceu pois a missa será celebrada no mesmo nível em que nós estamos. Essa é a resposta da Mãe de Deus. É isso que Ela deseja de nós, quer dizer, que a gente seja coerente na vida, que a gente espere as coisas d`Ela. Quer que tenhamos humildade. Este fato nunca aconteceu aqui, antes. Jesus desceu do altar e a Missa será celebrada no mesmo nível de todos nós. Então, prestem atenção, Nossa Senhora está de olho em nós. Neste Evangelho Jesus nos conta uma estória muito interessante! 
Pedro perguntou a Jesus: 
– Quantas vezes nós devemos perdoar, sete vezes? 
Jesus respondeu-lhe: –Não, setenta vezes sete. 
Como Pedro representa a Igreja, quem fez esta pergunta a Jesus foi a Igreja. A Igreja estava falando da confissão, falando sobre o sacramento da confissão. O que Jesus respondeu foi o seguinte: –“Não, vocês devem perdoar sempre!”. Por quê? Jesus conta uma estória muito interessante. Ele conta que tinha um patrão que resolveu fazer uma vinha, quer dizer, a Igreja! A vinha de Deus é a Igreja. E Ele quis colocar tudo organizado e sistematizado. O administrador da vinha, aquele que Ele tinha escolhido para tomar conta da vinha, devia ao patrão uma quantia muito grande, e o patrão o perdoou. –Eu perdoo você, perdoo essa dívida, mas eu quero que você administre a minha vinha. E aquele empregado resolveu, depois, não perdoar aquelas pessoas que estavam sob o comando dele, e que deviam muito menos. Aqui Jesus está nos chamando a atenção sobre o grande sacramento da confissão, o grande sacramento da responsabilidade. Deus entregou ao povo escolhido dele, o Velho Testamento, tudo aquilo. Mas eles fizeram o que quiseram, construíram um Deus à maneira deles, um Deus vingativo, um Deus cheio de problemas. Jesus nos fala sobre aquele homem que veio para administrar, e que ninguém perdoou. Este homem é Jesus que vem para nos mostrar a face de Deus, e ninguém perdoou. Todo aquele povo da aliança de Deus não perdoou. Jesus disse assim: –“Se vocês não perdoarem os pecados, o Pai vai fazer a mesma coisa com vocês. É muito simples, basta prestarmos atenção. Deus está falando para a Igreja. Mas não é essa Igreja de pedra onde está tudo isso que nós vemos, nesta pode passar um terremoto e jogar tudo isso no chão. Ele está falando de nós que somos Igreja, nós que fundamos aquela Igreja. Deus observa: Olha, o povo que eu escolhi para mim, o povo da aliança, da velha aliança, fez o que quis. Fez com vocês uma imagem minha que não procede. Então, agora, vocês devem perdoar as outras pessoas. Porque eu vou tirar vocês disso aqui. Eu vou criar uma nova aliança. E acontece que os homens não perdoaram a nova aliança e ainda mataram o filho de Deus. Então, a ciência desse recado hoje, tornou-se muito clara. Jesus nos fala sobre o novo e o velho testamento. Jesus nos chama atenção da confissão. A Igreja deve perdoar sempre. A missão da Igreja é perdoar sempre, setenta vezes sete. Por quê? Porque o povo da aliança não perdoou. O povo da aliança persiste naquela expectativa esperando um Deus que seja igual, um Deus que seja vingativo, um Deus que seja parcial, um Deus que seja produto de escolha das pessoas. E Deus não é assim, Deus nos mostra toda essa grandeza de ser bom, de perdoar. É isso que Deus nos mostra. É isso que Deus quer de nós. É isso que Deus quer da Igreja. Vamos prestar atenção e observar que a característica de Jesus, é a mesma do Pai, não tem diferença nenhuma. Mas nós construímos esse Deus a nossa maneira. Vimos o que Nossa Senhora disse-me essa semana: “Deus permitiu que eu lhe mostre, na próxima terça-feira, o que é ser humilde e como pedir. Ele vai descer do altar e a Missa vai acontecer no teu nível. Não é você que tem que subir. Neste Evangelho de hoje, Jesus nos mostra com muita certeza isso, Deus quer descer, Deus quer vir aqui, Deus quer ficar do nosso lado, Deus quer ser filho de uma mulher que Ele escolheu. Deus quer isso, Deus quer que a gente seja humilde e perdoe sempre. Quem tem o poder de julgar é somente Deus e o próprio Jesus fala assim: “Eu não vim para julgar”. Vamos perdoar sempre, vamos saber como pedir a Deus essas coisas. Vamos colocar os nossos questionamentos, as nossas dúvidas e não vamos querer subir o altar, como eu quis na última terça feira. Não vamos fazer isso não porque Deus nos mostra. E às vezes Ele nos mostra com uma doçura muito grande. Nos mostra como um exemplo de humildade. Eu vou descer até você, eu vou perdoar aquilo que você me falou na terça-feira passada. Eu vou lhe ensinar o que é ser um católico apostólico romano, eu vou lhe ensinar o que é ser Igreja, eu vou lhe ensinar o que é perdoar sete vezes sete. Vamos lembrar-nos da velha aliança. Nós, ás vezes, crucificamos nossos antepassados,. Deus não quer isso, Deus não quer.. Mataram Jesus! Lógico, mas porquê? Quiseram construir a imagem de Deus, não à semelhança de Deus, mas à semelhança nossa. Quiseram construir uma imagem de Deus legislador. Uma imagem de Deus que toma partido, Deus manda o sol para todo mundo! Deus que é aquela pura humildade. Deus nos mostra humildade para que a gente seja humilde e perdoe as pessoas. Hoje é um dia importante para mim, aqui, nesta Basílica, porque está fazendo quase vinte anos que eu venho aqui. Eu não aprendi, eu ainda estou aprendendo!  E quando eu pedi: “Meu Deus me ajude a subir esse altar”! Ele respondeu-me: –“Não, Eu é quem vai descer!” E vou estar com você, e vou fazer o grande sacrifício da minha presença entre vocês, no nível de vocês. Para você aprender a tratar as pessoas da maneira que tem de ser tratadas.  
Portanto, quando eu cheguei hoje aqui e vi aquele altar, eu lembrei-me  tão logo de Nossa Senhora.

Raymundo Lopes

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana