Jesus agradece ao Pai (Lc 10,21-24)

Basílica de Lourdes, 26 de janeiro de 2016

Naquele momento, pelo poder do Espírito Santo, Jesus ficou muito alegre e disse: - Ó Pai, Senhor do céu e da terra, eu te agradeço porque tens mostrado às pessoas sem instrução aquilo que escondeste dos sábios e dos instruídos. Sim, ó Pai, tu tiveste prazer em fazer isso.
- O meu Pai me deu todas as coisas. Ninguém sabe quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém sabe quem é o Pai, a não ser o Filho e também aqueles a quem o Filho quiser mostrar quem o Pai é.
Então Jesus virou-se para os discípulos e disse só para eles:
- Felizes são as pessoas que podem ver o que vocês estão vendo! Eu afirmo a vocês que muitos profetas e reis gostariam de ter visto o que vocês estão vendo, mas não puderam; e gostariam de ter ouvido o que vocês estão ouvindo, mas não ouviram.

EXPLICAÇÃO DO EVANGELHO

Evangelho de hoje é Lucas 10,21-24, e toda vez que a Igreja reserva estes versículos para a leitura, devemos Obuscar um pouquinho mais, antes ou depois desse trecho, para melhor compreensão. Vimos que no versículo 1 “Jesus designou outros setenta e dois discípulos”, além dos apóstolos, “e, dois a dois, enviou-os à Sua frente a toda cidade e lugar aonde Ele próprio devia ir. E disse-lhes:
‘A colheita é grande, mas os operários são poucos. Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie operários para a sua colheita. Ide! Eis que Eu vos envio como cordeiros entre lobos.’”
Na verdade, Jesus estava enviando os discípulos aos pares para aqueles lugares, investidos de espiritualidade vinda do Divino, e dizia-lhes assim: “Não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias, e a ninguém saudeis pelo caminho. Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘Paz a esta casa!’ E se lá houver um homem de paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, voltará a vós.”
E foi por causa desta missão dada aos discípulos e de ter revelado a esses pequeninos o que não podia revelar aos grandes, que Jesus deu graças ao Pai, naquele momento, “exultando de alegria sob a ação do Espírito Santo e dizendo:
‘Eu te louvo, ó Pai, Senhor do Céu e da terra, porque ocultaste essas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, e quem é o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.’
“E, voltando-se para os discípulos, disse-lhes a sós: ‘Felizes os olhos que veem o que vós vedes! Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que vós vedes, mas não viram, ouvir o que ouvis, mas não ouviram.’”
Primeiramente, nós temos de entender o que Jesus estava falando. É justamente sobre o poder da oração que faz com que as pessoas peçam para rezar por elas. Todos pedem: reze por mim! Se você se dispõe a rezar pelas pessoas, e se elas forem dignas de receber a oração, elas irão receber; caso contrário, a oração voltará para você.
Rezando para as pessoas, você está juntando tesouro no Céu. É isto que Jesus está falando.
Vimos também que Jesus revelou o Pai aos pequeninos e o escondeu aos soberbos; por isso Ele diz que revela o Pai e se mostra a quem Ele quer. Assim, passamos a ter a certeza de que somente o Pai conhece o Filho e somente o Filho conhece o Pai e aquele a quem o Filho o quiser revelar.
Vimos que Jesus ainda disse: “… permanecei nessa casa, comei e bebei do que tiverem, pois o operário é digno do seu salário.”
Jesus está explicando que, na casa em que você entrar, você deve comer e beber do que tiverem, e se aqueles que ali residirem não forem dignos da graça, ela voltará para você. Portanto, quando alguém lhe pedir para rezar por ele, reze, não se faça de desentendido. Reze, porque se ele não for digno das orações, elas voltarão para você.
Ao rezar pela pessoa, você está ajudando-a a encontrar o caminho do Céu. Se ela não for digna desta oração, o benefício voltará para você.
Vimos como Jesus se dirige ao Pai, em oração. Vimos que não podemos fazer de conta que estamos rezando, pois a nossa oração deve ser verdadeira e sincera, só assim ela brotará do coração e será ouvida por Deus.
Rezem, é isto que Nossa Senhora nos pede e é o que o Evangelho de hoje fala: a missão dos setenta e dois, perfazendo trinta e seis pares que, ao somarmos 3 mais 6 teremos 9, chegaremos à plenitude da Santíssima Trindade, que é igual a 3+3+3.

Raymundo Lopes

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana