Cronicas de Raymundo Lopes
Folhas ao Vento

Raymundo Lopes - 13 de dezembro de 2016

Folhas ao Vento

É bastante simples, tudo se reduz a aprender a perguntar. Mas, além de outras do conhecimento, há uma linguagem: Mais vale um Deus conosco do que uma ovelha perdida. Há uma oculta comunicação entre tudo o que é próximo.
Tenho as mãos de ontem, me faltam as de amanhã.
A verdadeira importância da razão reside no poder que tem de fazer-nos compreender as próprias limitações.
O presente como o passado são lembranças do futuro.
Não é milagre a integração dos olhos no rosto da humanidade?
Existe algo que possa ser um equilíbrio entre dimensão física e espiritual; volumes e superfícies, cores e formas encontram-se compensados pelos olhos, não pelo que os olhos são, mas pelo que os olhos fazem.
A obra de Deus tem uma dimensão ótima, única.
O pintor e o escultor estão muito, pelo menos em algum aspecto, numa terceira dimensão que em tudo muda, separa-os.
O ponto de vista do escultor estará sempre a noventa graus do ponto de vista do pintor.
O escultor encontra perfis olhando sempre em profundidade.
Existem limites para o espírito?
Graças ao espaço existem limites no mundo físico, e eu posso ser escultor.
Não seria possível sem esse rumor de limites e o espaço que os permite.
Que tipo de espaço permite os limites no mundo espiritual?
A escultura deve sempre dar a cara e estar atenta a tudo que se move ao redor e a torna viva.
Como é possível que nossas vidas, formadas por sucessivos presentes que não têm dimensão, durem umas vezes 20, 40 ou 80 anos.
A unidade se busca, não se possui.
Tudo o que cresce vibra e encaixa.
O que sei fazer, é certeza que já o fiz.
Daqui tenho que fazer sempre o que não sei fazer.
Duvidar da experiência ou carecer dela, isso é ser jovem.
Esta segunda forma é a mais frequente.
O limite é o verdadeiro protagonista do espaço.
É como o presente outro limite, é o verdadeiro protagonista do tempo.
O que é de uma e quase ninguém.
Não será o passo decisivo para um artista estar sempre desorientado?

Raymundo Lopes

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana