Cronicas de Raymundo Lopes
Os três dias de trevas

Explicação de Raymundo Lopes em 23 de fevereiro de 2017
após a Explicação do Evangelho de Mateus 11,1-30

Os três dias de trevas

Eu vou falar para vocês sobre os três dias de trevas. Um assunto que é do interesse de todos e, além disto, já faz um ano que estou aflito para lhes falar sobre isso. Pedi aos 'meninos', que às vezes falam comigo: “O dia em que eu puder falar a esse respeito, vocês me avisam”? E eles me avisaram: “Raymundo, fale aquilo que você tem que falar.”
Outro motivo que me levou a trazer-lhes esta verdade é que a explicação do Evangelho de Mateus 11,1-30 fala do Pai; se não fosse isto, eu não estaria agora falando nada. E também porque eu vejo a preocupação de vocês pelos dias de trevas.
Precisam parar com essas ideias de que nos dias de trevas têm que ter vela acesa, água benta, ramo bento para queimar… tudo isto é desnecessário, não precisam de nada disto. Parem com essas bobagens, não fiquem guardando vela, nem água benta e preocupando-se com o lugar onde estiverem. Parem com essas bobagens de dias de trevas, aquilo que faz mal para vocês e para os outros.
Primeiro existiram as trevas. O universo inteiro era trevas. Somente trevas. Tudo era trevas. E as trevas eram Deus.
O Diabo foi criado quando Deus disse: “Haja Luz”. E Deus criou a luz. Ele foi criado a partir da luz e seu nome é Lúcifer, que quer dizer: criado da luz. E para seu desgosto, depois de ser expulso do Céu, por aquilo que ele mesmo escolheu continuou chamando-se Lúcifer, porque Deus não mudou o seu nome. Deus deu a Lúcifer tudo o que Ele tinha, só não lhe deu duas coisas: o nascer e o morrer.
Portanto, Deus é trevas. O Diabo é luz; mas não se trata de uma luz como a do Sol, que ilumina a Terra e faz brilhar a Lua. Esta luz é aquilo que brota dentro do nosso cérebro e ilumina o nosso intelecto, nos fornece a clareza da verdade, o entendimento, a sabedoria e a certeza de Deus. Dias de trevas é aquele momento em que Deus vai consertar o cérebro de vocês. Ele tem até três dias para um apelo ao Pai, ao Filho e ao Espírito.
São no máximo três dias que Deus tem para mexer no cérebro da pessoa. Não tem nem mais um dia. Três dias é o máximo. Isto vai depender da pessoa; ela pode precisar de uma hora, um dia, até três. É como se Deus dissesse: “Eu sou trevas, Eu sou o Infinito, e vou levar até três dias para consertar o seu cérebro e no quarto dia você vai para o Céu, ou não tem jeito, é causa perdida.”
Somente o Pai sabe o dia e a hora, nem os anjos do Céu sabem.
Estes três dias irão atingir, também, as pessoas que já morreram, porque Deus está falando da alma.
Naquele momento em que estiver acontecendo, no caso do sofrimento, por exemplo, a pessoa pode dizer: 'Eu matei uma pessoa', pois a ficha caiu; é um sofrimento para a sua alma.
Jesus pediu: “Fale a todos sobre a misericórdia do meu Sagrado Coração”.
O nosso cérebro é a semelhança de Deus. Por isto Ele não vai acabar com a Sua semelhança em nós; ela apenas se transforma, mas continua sendo a semelhança de Deus.
Raymundo Lopes

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana