Cronicas de Raymundo Lopes
Yeshua sabia tudo o que fazemos na vida,
e tudo baseia-se na fé

08 de Agosto de 2017

Anjos e Demônios

A maior parte das nossas decisões é tomada inicialmente em razão do que sentimos ou acreditamos.
Só depois racionalizamos, para justificar nossas escolhas.
Yeshua usava parábolas para nos obrigar a lidar com nossas crenças, e não com nossos raciocínios lógicos.
A pessoa verdadeiramente sábia é sempre humilde.
Yeshua nunca escreveu um livro. Sempre humilde, falou por meio de parábolas e conduziu as pessoas à verdade através do seu exemplo vivo.
Ele era confiante sem ser arrogante, acreditava em valores absolutos sem ser rígido, tinha clareza sobre sua própria identidade sem julgar os outros.
Yeshua abordava as pessoas com técnicas psicológicas, que estamos apenas começando a entender. Em vez de mostrar-se superior, dando palestras eruditas no seu conhecimento teológico, ele humildemente dizia o que queria através de simples histórias.
Falava de um modo que levava as pessoas a ouvirem, porque sabia o que as fazia querer escutar.
Yeshua foi um poderoso comunicador, porque compreendia o que a psicologia está nos ensinando hoje, que baseamos a nossa vida mais no que acreditamos do que no que sabemos.
Suas críticas mais severas eram dirigidas aos professores de religião. Embora fosse um deles, Yeshua não os censurava pelo conhecimento que possuíam, mas pela arrogância que demonstravam.
Para ele era claro que quanto mais aprendemos, mais deveríamos perceber que existem muitas coisas que ainda não sabemos. A arrogância é sinal de insegurança. Yeshua entendia que as ideias humanas nunca expressam totalmente a realidade, e seu estilo de ensinar sempre levou este fato em consideração.
Acredito que, se desejarmos ser comunicadores mais eficazes, precisamos apreender o que Yeshua sabia a respeito da relação entre o conhecimento e a humildade.
Os grandes pensadores são sempre humildes.
Eles compreendem que a vida está mais ligada à fé do que ao conhecimento.

Raymundo Lopes


2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana