Cronicas de Raymundo Lopes
Cabala

Raymundo Lopes - 27 de setembro de 2016

Com o anúncio do primeiro trabalho da cabala judaica, os judeus vêm evocando uma metáfora bastante mais antiga do que talvez percebam. Estamos descobrindo as letras com que Deus forjou a vida, estamos no início de montar palavras e descobrir a realidade como proposta de um texto com mistérios do futuro mas também do passado.
Há alguns milênios a tradição mística dos hebreus, mais conhecida como cabala, preconizou ter sido o universo criado a partir das letras. A combinação dessas letras criou tudo o que é diferenciado em nosso universo, até os dias de hoje.
A metáfora da cabala, um manual que contivesse em si o projeto da criação, foi a moldura sob a qual o texto bíblico é reverenciado.
Estudar as frases e seus significados passou a ser um trabalho constante dos primeiros cristãos, tal como hoje a cabala fala dos anjos recolhendo as frases da natureza angélica como suas manifestações e afirmações. Os primeiros cristãos tentaram compreender os diversos ângulos pelos quais as frases poderiam ser entendidas. Tal como nossas várias óticas, seja da sociologia, da antropologia ou da psicologia antes de textos e seus significados, os cristãos buscaram entre as alusões e as metáforas uma forma mais aproximada de uma leitura verdadeira do que simplesmente através da literal sabedoria, precisaram analisar dados sob várias óticas.
Mas coube aos Missionários do Coração Imaculado o estudo não tanto das letras, mas das palavras e das letras.
Podemos ler um texto sem conhecer o autor, mas pense no seu autor como mestre da escrita.
O conhecimento verdadeiro se produz no entendimento do que compreendemos e também daquilo que não compreendemos.
Vamos rezar as letras desse mapa angélico, de eras antigas, que nos traz benefícios do saber e a humildade de um saber angélico, que melhor avalie e aprofunde o conhecimento de nossa ignorância.

Raymundo Lopes

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana