Cronicas de Raymundo Lopes
Madalena

Raymundo Lopes - 11 de outubro de 2016

Madalena

Madalena ouvira as pregações de Yeshua não longe da vila principesca, onde vivia entregue a prazeres em companhia de patrícios romanos, e tomara-se de admiração profunda pelo Mestre.

Que novo amor era aquele apregoado aos pescadores singelos por lábios divinos?

Até ali caminhara ela sobre as rosas rubras do desejo, embriagando-se com o vinho de condenáveis alegrias.
No entanto, seu coração estava sequioso e em desalento.
Jovem e formosa, emancipara-se dos preconceitos férreos de sua raça; sua beleza lhe escravizara aos caprichos de mulher os mais ardentes admiradores, mas seu espírito tinha fome de amor.
Decorrida uma noite de grandes meditações e antes do famoso banquete em Naim, onde ela ungiria publicamente os pés de Yeshua com bálsamos perfumados de seu afeto, notou-se que uma barca tranquila conduzia a pecadora a Cafarnaum.
Dispusera-se a procurar Yeshua por muitas hesitações. Como a receberia o Senhor, na residência de Pedro?
Seus conterrâneos nunca lhe haviam perdoado o abandono do lar e a vida de aventura. Para todos era a mulher perdida que teria encontrado a lapidação na praça pública.
Sua consciência, porém, lhe pedia que não fosse. Yeshua tratava a multidão com especial carinho. Jamais lhe observara qualquer expressão de desprezo para com as numerosas mulheres de vida equivocada que o cercavam.
Além disso, sentia-se seduzida pela Sua generosidade. Se possível, desejaria trabalhar na execução de Suas ideias puras e redentoras. Propunha-se a amar como Yeshua amava, sentir Seus sentimentos sublimes. Se necessário, saberia renunciar a tudo. Que lhe valiam as joias, as flores raras, os banquetes suntuosos, se ao fim de tudo isso conservava a sua sede de amor?
Envolvida por esses pensamentos profundos, Madalena penetrou o umbral da humilde residência de Pedro, onde Yeshua parecia esperá-la com tal bondade que a recebeu num grande sorriso.
A recém-chegada sentou-se e com indefinível emoção pôs-se a esfregar-lhe os pés.


Raymundo Lopes

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana