Cronicas de Raymundo Lopes
Três terças de Trevas e dias Nefastos

Na Sinagoga

Escute Miryam.

Quando eu era menino costumava imaginar, na igreja do Rosário, em Ubá, que a certa altura do futuro havia um momento mágico em que se passava a saber tudo de uma sabedoriaque ficava em Deus.
Desse ponto em diante a nossa vida espiritual seria mais fácil, não haveria mais dúvida, não haveria mais incerteza e se passava a saber tudo.
Desse ponto em diante a vida espiritual seria fácil, não haveria mais dúvida, não haveria mais incerteza, em qualquer situação eu saberia exatamente como e o que fazer.
Muitos anos se passaram e a única coisa que realmente descobri é que Yeshua e Miryam tinham certeza absoluta, e que a esse momento somente eles chegam, e as respostas tive o prazer de ouvi-las de Miryam:

Há pessoas do lado negativo de cada palavra.

Era a maneira de dizer que cada um de nós é diferente e que ninguém pode ter sempre razão ou saber sempre todas as respostas.
Outro, de seus conceitos favoritos, é a característica do mal, é a capacidade de fazer uma imposição racional com base em informações insuficientes.
Posso deduzir daí que muitas vezes, quando uma pessoa se vê na necessidade de tomar uma decisão, é impossível preencher todas as incertezas.
Ninguém pode estar seguro de possuir todos os dados, e assim, para decidir, precisamos adivinhar.
É nesse ponto que entra em ação a espiritualidade com a verdade, pois a substância da verdade espiritual a Yeshua e Miryam pertencem; de verdade estão falando? Porque a verdade significa também experiência, fé, coragem e compreensão e, acima de tudo, a capacidade de pensar e agir com Yeshua e Miryam. São qualidades que traduzem o conhecimento morto em sabedoria.

Vivo, fazem dar certo nossas suposições.

Quanta doçura soube terde Maria
quem dela se aproximava.

dia 11 de agosto

Há uma diferença tão grande entre Maria e tudo o que não é Ela.
Mediante a tua graça! Com a tua misericórdia vinda de Yeshua, uma infinidade de misericórdias!…
Graças à Santa e Doce Senhora, meu Anjo da Guarda e de todos os santos e santas, de tantas pessoas que me amam e que não estão mais neste mundo,a cuja memória dedico estes dias.
Os Missionários me acolhem bem, alguns não são sinceros, cedem à necessidade. Quanto será preciso para adquirirem realmente os sentimentos que hoje fingem ter? Talvez isso nunca aconteça…
Saberão distinguir Miryam do lugar comum e ver em nós, servos de Deus, irmãos universais? Não sei. Se eu fizer o que Miryam me pede e o meu dever, Yeshua derramará graças abundantes, e eles compreenderão.

Dia 18 de agosto

Não procuro organizar e preparar os Missionários para apenas viver como se tivesse de ficar sozinho. Se estou em dois, em três, num pequeno número, viverei como se este nunca tivesse de ficar e de se tornar mais numeroso. Rezo a Miryam tanto quanto a Yeshua, reservando um lugar sempre muito grande para a Obra Missionária. Rezo fielmente todos esses dias, amo Yeshua de todo o coração. A sua vinda à Obra Missionária pode se fazer em qualquer parte; viva-a no lugar mais útil ao próximo.

Dia 25 de agosto

Eu me esforço para ter uma infinita delicadeza capaz de cuidar dos detalhes, e que sei derramar com gestos de nada uma montanha de bálsamos nos corações dos Missionários. Dai-lhes de comer, diz Yeshua. Da mesma forma eu, com aqueles que vivem a meu lado, entramos nos pequenos detalhes de consolação de nossas orações, de nossas necessidades: consolamos, damos alívio com as atenções mais diminutas, para que Yeshua e Miryam possam, a nosso lado, ter aquelas ternas e delicadas pequenas atenções pelos Missionários. Foi como Miryam, para todos aqueles que se aproximaram d’Ela e para todos os outros.
Quanta consolação, quanta doçura soube dar a todos aqueles que se aproximaram d’Ela.

Sigo o modelo único, e estarei seguro de fazer muito bem, pois dessa forma não serei mais eu a viver, mas será Miryam a viver em mim; minhas ações não pertencem mais aos Missionários, humanos e miseráveis, mas Miryam será por isso vivamente eficaz.
Miryam nos dará Yeshua.
Yeshua, ele mesmo fará cuidados, nutridos e vestidos, consolados, santificados, salvos,
enfim, amados.

Miryam são seus irmãos, é a família que adotou, a que deixa a nós?

 

Eram aproximadamente 12 horas do dia 03
quando percebi crianças na Capela,
mas não dei importância.

Entrei e dei de cara com os meninos (Anjinhos) brincando entre si.
Perguntei-lhes:
– O que estão fazendo?
Eles me olharam fixamente e fizeram menção à presença de Miryam, que queria falar comigo.
Vi então Miryam sentada na cadeira olhando fixamente as ‘crianças’.
E Ela me chamou:
– Acerque-se de mim!
Assentei-me, e Ela falou:
– Sinto que não está bem!
– Não estou bem: uma dor de cabeça, meus ouvidos estão doendo, meu corpo está dolorido etc.!
– Não estou autorizada a ajudá-lo! Mas sinto também que se preocupa com o andamento de minha Obra, não é isso?
– Fiz algo que não lhe agradou?
– Não é isso. Podemos falar de dias nefastos?
– Que dias, minha doença?
– Não! Minha presença nos locais que já falei, não lhe convém chamar de Obra?
– A Senhora é quem sabe, mas são dias nefastos?
– Não!, esses dias esperados aconteceram conforme previsto.
– Não estou entendo!!
– Entenderá. A humanidade passou por esse dia, mas vocês, que acreditam em minhas manifestações, sejam elas em Fátima, Lourdes ou em qualquer local estão isentos por minha Obra aqui; mas aqueles que repudiam o nome de Yeshua, passaram, passarão e vão ainda passar por esses dias, daqui até o término da terceira Aliança; foi meu aviso nos locais onde estive.
– A Senhora está falando da Purificação?
– Não falo de outra coisa!!
– Posso falar disso, agora?
– Somente se a pessoa detentora da catequese fizer menção às minhas palavras do dia 30 passado1; caso contrário, use da prudência!
– Porque prudência? Têm pessoas que estão sofrendo por causa disso!
– Siga as minhas orientações; é necessário que o assunto caminhe neste ritmo!
Falando assim, Ela despediu-se, dizendo:
– Cuidado, muito cuidado, fui instruída a procurá-lo para dissolver esta dúvida, porque percebo que seu espírito se perturba, mas confie em Yeshua, tudo está bem, muito bem!
Em seguida a vi saindo da saleta e desaparecer logo após, ficando os ‘meninos’.
Eles disseram-me:
– Escute Miryam.

Raymundo Lopes
Vila Del Rey, 3 de setembro de 2015

1. Diálogo: Virá como um raio, de 30/08/2015.

 

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana